Propósito do Seminário

O “Seminário sobre Submersíveis – Desbravando o Mar Brasileiro” visa divulgar o conhecimento sobre a importância fundamental de tais veículos para a pesquisa e a exploração do mar. Incorporou-se ao título a expressão “Mar Brasileiro”, relacionando-o ao nome da Instituição que o organiza – o Centro de Excelência para o Mar Brasileiro – como forma de destacar-se o enfoque predominante – o interesse nacional.

No momento em que o País se lança decisivamente ao mar na busca de petróleo em sua plataforma continental, mormente no pré-sal – cuja importância geopolítica e econômica não precisa ser realçada – e quando já tem início várias e promissoras atividades no fundo do mar visando a descoberta e a futura exploração dos recursos lá existentes, incluindo minerais de valor político-estratégico, como as crostas cobaltíferas, os sulfetos e os nódulos polimetálicos, é certo que a utilização de veículos submersíveis, tripulados ou não, capazes de efetuar tarefas impossíveis de serem realizadas por outros meios, adquirirá realce cada vez maior.

Um fato novo vai realçar ainda mais a importância de tais veículos: como é sabido, o Brasil acaba de encaminhar à Autoridade Internacional dos Fundos Marinhos (AIFM/ONU), responsável pelo controle da exploração da “Área” (conceituada pela CNUDM como significando o leito do mar, os fundos marinhos e o seu subsolo, além dos limites jurisdicionais da cada país) uma solicitação inédita para desenvolver pesquisas de mineração em área com cerca de três mil quilômetros quadrados no Atlântico Sul, a mais de mil quilômetros da costa brasileira, região conhecida como “Elevação do Rio Grande”, onde foram identificadas crostas cobaltíferas, com manganês e ferro. Para tal, o País comprometeu-se a investir US$ 11 milhões, em cinco anos, na exploração de tal área internacional. O fato coloca o Brasil como pioneiro, nas Américas, em relação à exploração de minérios na “Área”, nos termos da CNUDM (os EEUU não são signatários da Convenção).

O Seminário tem por propósito, assim, partindo do estado da arte no País e com base no desenvolvimento do assunto em países mais desenvolvidos no setor, levantar subsídios para a formulação de sugestões aos decision makers, visando o melhor atendimento às necessidades nacionais.